14 Outubro 2009

Como se escreve...???



Quando o João tinha apenas cinco anos, a professora do jardim de infância, pediu aos alunos que fizessem um desenho de alguma coisa que eles amassem.
João desenhou a sua família. Depois, desenhou um grande círculo, com um lápis vermelho, ao redor das figuras.
Querendo escrever uma palavra por cima do círculo, ele saiu da sua carteira, foi até à mesa da professora e perguntou-lhe:
- Professora, como é que se escreve...?
- Ela não o deixou terminar a pergunta, mandou-o voltar para o seu lugar e não se atrever a interromper mais a aula.
João dobrou o papel e guardou-o no bolso.
Quando regressou a casa, lembrou-se do desenho e tirou-o do bolso.
Alisou-o bem sobre a mesa da cozinha, foi à mochila, pegou num lápis e olhou para o enorme círculo vermelho.
A sua mãe preparava o jantar, indo e vindo do fogão para a bancada e para a mesa.
Ele queria terminar o desenho antes de o mostrar a ela e perguntou-lhe:
- Mãe, como é que se escreve...?
- João, não vês que estou ocupada? Vai brincar lá para fora. E não batas com a porta.
Ele dobrou o desenho e guardou-o no bolso.
Nessa noite, ele tirou outra vez o desenho do bolso.
Olhou para o enorme círculo vermelho, foi até à cozinha e pegou no lápis.
Ele queria acabar o desenho antes de o mostrar ao pai.
Alisou bem as dobras, colocou o desenho no chão da sala, perto do sofá onde o pai costumava sentar-se e perguntou-lhe:
- Pai, como é que se escreve...?
- João, não vês que estou a ler o jornal e que não gosto de ser interrompido? Vai brincar lá para fora e não batas com a porta.
O garoto dobrou o desenho e guardou-o no bolso.
No dia seguinte, quando a sua mãe separava a roupa para lavar, encontrou no bolso das calças do filho enrolados num papel, uma pedrinha, um elástico e dois cromos.
Eram os tesouros que ele tinha guardado enquanto brincara fora de casa.
Ela nem abriu o papel e atirou tudo para o lixo.
Os anos passaram...
Quando João tinha 28 anos, a sua filha de cinco anos, Ana fez um desenho. Era o desenho da sua família.
O pai sorriu quando ela apontou uma figura alta, de forma indefinida e disse:
- Este és tu, pai! Ele riu-se.
A garota também se riu. O pai olhou para o enorme círculo vermelho feito por ela, ao redor das figuras e lentamente, passou os dedos sobre o círculo.
Ana desceu rapidamente do colo do pai e disse-lhe:
- Eu já venho!
Quando voltou, trazia um lápis na mão. Voltou a sentar-se nos joelhos do pai, pôs a ponta do lápis perto do topo do grande círculo vermelho e perguntou:
- Pai, como é que se escreve AMOR ?
Ele abraçou a filha, pegou-lhe na mãozita e conduziu-a devagar, ajudando-a a escrever as letras, enquanto lhe dizia:
- AMOR, querida, AMOR escreve-se com as letras T, E, M, P, O.(TEMPO).
Conjugue o verbo Amar, a toda a hora.
Use o seu tempo para amar.
Crie um tempo extra para amar, não esquecendo que para os seus filhos, em especial, o que importa é ter quem os ouça e opine, quem participe e vibre, quem conheça e incentive.
Não espere que o seu filho descubra sozinho como se soletra
AMOR, FAMÍLIA, CARINHO ...
Por fim, lembre-se:
Se você não tiver tempo para amar, invente.
Afinal, o ser humano é um poço de criatividade e... o tempo...... bom, o tempo é apenas uma questão de escolha.

Amigos, desculpem-me se vos maço muito com estes temas da família, filhos, mas como sabem estou envolvida neste tipo de "trabalho" e preocupo-me cada vez mais com as "nossas" familias.
A familia foi invenção de Deus por isso deve ser perservada e cuidada com muito AMOR.
Façamos das nossas familias verdadeiras bençãos.


5 comentários:

Graça disse...

Bom dia Anita linda,
belo texto...como gostei e como vem de encontro ao PPS k te enviei logo cedinho!!Vou guardar todas estas palavras.. dentro do meu coração!!
Tem um dia abençoado,
fiquem bem, fiquem com Deus,
bjinho e xi coração,
Graça

Marlene Maravilha disse...

Querida Anita,
disseste bem, família é tudo de bom e preserva-la também estará sempre nos meus planos, quer seja minha ou dos outros.
A boca fala do que está cheio o nosso coracao, e a nossa família está dentro dele, por isso queremos que outros tenham a nossa experiencia! Lindo! Por acaso tenho algo sobre família lá também!
A Deus toda a honra!
beijos

Edimar Suely disse...

Olá, a paz!

O espaço Jesus Minha Rocha completa 4 anos de existência e 85.000 visitas e você faz parte dessa história. Vem comemorar comigo. Te espero por lá.

Traga também o selinho de presente.

Smack!

Edimar Suely
jesusminharocha2.zip.net

Pelos caminhos da vida. disse...

Tem selinho comemorativo lá no blog esperando por vc.

Bom dia amiga.]

beijooo.

Nova Evangelização disse...

* * *
Prezada Anita

De acordo com a belíssima e muito prática historiazinha que agora nos conta, eu, também e infelizmente, não tenho bastante "tempo" para amar, pelo menos tanto quanto desejaria e tanto quanto os outros de amor e carinho deveras precisam, e por isso mesmo, como igualmente é aconselhado, passo a inventá-lo...

Bem, como o tempo não se pode inventar, mas apenas escolher ou agendar, determino que seja já, agora mesmo, em vez de amanhã.
Quem me garante que logo ou amanhã estarei em melhores condições?

Dito e feito...
Bem, mas há outro pequeno/grande problema; isto é, ninguém pode dar ou emprestar o que não tem, ou o que apenas tem deficientemente...

Solução: Vou criar e desenvolver o "amor" em mim, quanto baste, para partilhá-lo com o próximo, a começar pela minha família e amigos, sobretudo os mais carenciados.

Entretanto, ponho a render o pouco que tenho, que mal chega para mim, e amanhã, se Deus quiser, cá voltarei, para partilhá-lo com quem mais precisa...
Lamento deveras, mas já não posso, assim mesmo, cumprir o prometido, o desejado, de ser já hoje, já agora, que devia começar a distribuir amor e carinho...

Perdão, pensando melhor, se não tenho de momento determinadas virtudes, tenho outras, ainda que não sejam de momento as mais indicadas, e por isso mesmo passo a partilhá-las, se me permitem.
Como, por exemplo, compreensão, paciência, atenção, simpatia, dedicação...

Não se tratando de amor e afecto propriamente ditos, aproximam-se, assemelham-se, e melhor ainda: preparam já o campo para poder semear outros sentimentos e predicados mais necessários ou adequados, pois tudo deve ser devidamente feito em conta, peso e medida, assim como toda a boa sementeira deve ser precedida do amanho da terra, do adubo e do clima favorável...

Sim, hoje preparo a terra, e amanhã virei semear, combinado?
Depois, bem, depois teremos de esperar, pacientemente, que as pequeninas plantas cresçam, floresçam e dêem belos frutos.
Só então poderei colhê-los e distribuí-los, alegremente, por quem mais precisa, assim como por mim mesmo.

Aceitem entretanto, Anita e Família, os meus melhores e respeitosos cumprimentos, com as bênçãos de Deus Nosso Senhor.
J. Mariano
--

prémios e miminhos ganhos