01 outubro 2010

A saúde...




Queridos amigos há uns dias recebi este texto que passo a partilhar convosco.

Vale a pena reflectirmos sobre isto!



Tudo acaba, tudo termina, tudo tem um fim. Não há nada que dure para sempre, à excepção do Deus intemporal no qual Saramago teimava em não acreditar.
O pouco tempo que temos não é nosso, não o possuímos, não o merecemos, trata-se certamente de um empréstimo. É-nos confiado sem seguro pois, se o perdemos, não há compensação ou recuperação possível. É-nos confiado com juros, pagamos por ele com a nossa degradação. É-nos confiado por tempo indeterminado, desconhecido, ignorado.
Na manhã da vida, ele passa devagar, preguiçoso, demorado. Ninguém se apercebe quão frágil e instável é a condição do ser humano. A inocência com que nascemos deixa-nos sonhar que podemos voar alto, ainda que só as aves sejam equipadas para tal.
Na tarde da vida, ousamos pensar que podemos viver para sempre, ainda que a ciência nos diga o contrário. Acreditamos que somos invencíveis, insuperáveis tanto quanto o nosso ego permite. É este orgulho que se apodera de nós, dando-nos a confiança de que somos independentes, é uma arrogância que nos cega perante a realidade de que somos frágeis e delicados.
No anoitecer da vida, a experiência dá-nos a conhecer o inevitável. Resta-nos saber se, quando lá chegarmos perto, teremos a coragem para o enfrentar. Alguém disse que a coragem não é a ausência de medo, mas é a nossa reacção quando o medo chega. É cada vez mais evidente que a saúde é um estado precário que não augura nada de bom. A solidão, a dor, a saudade fazem parte do dia-a-dia.
Tudo acaba, tudo termina, tudo tem um fim. E a noite chega…
Mas para mim é um novo dia que nunca acaba, nunca termina, onde o tempo não existe. E onde posso estar com o Deus que Saramago teimou em não amar.
Texto: Joana Loja

5 comentários:

Graça disse...

Bom dia minha amiga
Vale mesmo a pena reflectirmos neste belo texto de Joana...vou guardar e partilhar com outros amigos!!
Bom final de semana,
Fiquem com Deus,
bjos e sorrisos,
Graça

São disse...

Francamente, não acho que Sarmago tenha sido ateu. Se ele não se importasse com o divino não lhe teria dado tanta atenção, não é?

Eu creio convictamente numa Entidade que nos transcende em tudo e infinitamente. Mas , peço muita desculpa, não é aquele deus que vem no Antigo Testamento nem o que o Vaticano nos impôs através das fogueiras da Inquiisção.


O DEus em que acredito tem muito mais a ver com o Pai de que Jesus nos fala e perdoa sempre, embora exista indubitavelmente a lei de causa-efeito.

Um bom fim de semana.

Ao toque do Amor disse...

Olá Bom dia!!
vim, te oferecer o prêmio BEST SPECIAL TOUCH
e deixar o meu toque de carinho e amizade
san


oi, Anita..salva o selo em seu pc e depois leva para o httP://IMAGESHACK.US para sair com os brilhos
bjus

Multiolhares disse...

deveríamos ter isso bem presente a impermanência de tudo, tudo passa e nós também somos uma simples passagem.
bom fim de semana para ti. com muito amor e harmonia
Bj

Viviana disse...

Querida Anita

Também acho o texto muito interessante.

Faz-nos ensar e reflectir.

Um beijo, boa amiga

Viviana

prémios e miminhos ganhos